Investir através de corretoras ou através de bancos?

AAA Allocation FIC FIM
Conheça o Fundo AAA Allocation FIC FIM
4 de outubro de 2017
Planejamento financeiro
“Pensar em investimentos ao longo da vida”
19 de outubro de 2017

Para iniciarmos nossa discussão, é importante trazer uma definição da própria CVM e do BC sobre o que são corretoras e o que são bancos:
As Corretoras de Títulos e Valores Mobiliários (CTVMs) e as Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários (DTVMs) são instituições financeiras que tem como atividade principal ou acessória a intermediação de operações nos mercados regulamentados de valores mobiliários, como é o caso dos mercados de bolsa e de balcão (organizado ou não).

Esse serviço consiste na execução de ordens de compra e de venda de valores mobiliários para seus clientes, mas também podem se incluir, entre as atividades por elas oferecidas:

  • disponibilização de informações de análise de investimentos;
  • administração de carteiras de valores mobiliários (inclusive fundos de investimentos);
  • prestação de serviços de custódia e outras (algumas dessas atividades dependem de autorizações específicas).

http://www.cvm.gov.br/menu/regulados/corretoras/corretoras_dist.html

Por sua vez os bancos são definidos como:

Os bancos comerciais são instituições financeiras privadas ou públicas que têm como objetivo principal proporcionar suprimento de recursos necessários para financiar, a curto e a médio prazos, o comércio, a indústria, as empresas prestadoras de serviços, as pessoas físicas e terceiros em geral. A captação de depósitos à vista, livremente movimentáveis, é atividade típica do banco comercial, o qual pode também captar depósitos a prazo. Deve ser constituído sob a forma de sociedade anônima e na sua denominação social deve constar a expressão “Banco” (Resolução CMN 2.099, de 1994).

https://www.bcb.gov.br/pre/composicao/bc.asp

Partindo deste princípio podemos entender que corretoras e bancos, por mais que ambas sejam classificadas como instituições financeiras, tem em sua essência funções totalmente diferentes. Por este motivo corretoras irão apresentar custo, atendimento, serviços e produtos ofertados que na grande maioria dos casos serão melhores que os apresentados pelos bancos.

Por exemplo, para os clientes que estão buscando investimentos no mercado acionário os custos de corretagem vão ser uma grande diferença entre os bancos e as corretoras. Os bancos vão executar a suas cobranças através da tabela Bovespa, uma forma de cobrança que varia de acordo com o valor negociado pelo cliente, este modelo de cobrança por vezes acaba acarretando um custo maior para o cliente. Dentro das corretoras os custos de corretagem acabam sendo menores devido aos valores fixos praticados por grande parte das corretoras, não havendo diferenças para os clientes que irão negociar uma ação ou milhares de ações. Outro detalhe também está presente no custo de custódia que na maior parte das corretoras não são cobrados.

Dentro das corretoras o cliente também encontrará uma diversidade de opção melhores que nos bancos. Os bancos acabam restringindo seus próprios produtos aos clientes de perfis e de capacidade financeira diferentes.

Outro diferencial das corretoras está em as mesmas trabalharem com vários gestores, Assets e Bancos de Investimentos. Devido à está realidade é possível, dentro das corretoras, o cliente encontrar produtos como CDB, LCI, LCA e Fundos com rentabilidades bem melhores que as oferecidas pelos bancos. Estas melhores opções dentro dos bancos só estarão disponíveis para os clientes com grandes volumes de capital.

Para os clientes com patrimônios superiores a R$ 1 milhão os bancos irão apresentar um atendimento personalizado. Para quem tem valores menores será muito difícil ter acesso aos melhores profissionais. Dentro das corretoras será mais fácil para o pequeno investidor encontrar um atendimento pessoal de qualidade nos moldes do oferecido para os clientes com um volume maior.

Infelizmente uma das grandes reclamações que existem contra os bancos são o oferecimento de produtos que não levam nenhuma vantagem para os clientes, produtos que são apresentados como formas de investimentos e que não o são, os mais citados são os tão conhecidos e odiados títulos de capitalização, por outro lado todos os produtos oferecidos pelas corretoras são realmente opções de investimentos.

Um ponto positivo para os bancos está na comodidade. Sem dúvida é mais fácil e cômodo para qualquer cliente fazer as suas aplicações dentro dos bancos em que tenham conta. No caso das corretoras é necessário o cliente fazer uma transferência tipo TED para fazerem os seus investimentos. Vale citar que várias corretoras não cobram TED no momento de resgate do valor da corretora para o banco.

Com relação a segurança nos investimentos voltemos ao início do nosso texto, ambas instituições são classificadas como instituições financeiras e com isto temos um patamar de segurança semelhante para ambas instituições, afinal ambas também são fiscalizadas e monitoradas por instituições como CVM e Bacen. Lembremos que para o Tesouro Direto a garantia é do Tesouro Nacional, CDB, LCI, LCA e poupança são garantidos pelo FGC (Fundo garantidor de crédito), fundos de investimentos são garantidos pelos próprios ativos que os mesmos mantem em carteira, debentures e as ações são garantidas pelas próprias empresas que vão ao mercado oferecer seus ativos e buscar crédito. Fica claro que tanto corretoras e bancos compartilham do mesmo sistema de segurança.

Com tudo o que foi citado acima a dica é buscar informações e fazer comparações entre ambas instituições financeiras para entender qual a melhor opção para seu perfil e quais as opções de investimentos que mais lhe agrada.

Willian Moreira – Economista

 

FICOU COM ALGUMA DÚVIDA? CONVERSE COM UM DE NOSSOS ESPECIALISTAS, ELES ESTÃO PREPARADOS PARA MELHOR TE ATENDER.

AGENDAR UM HORÁRIO